Organização do Trabalho Pedagógico Escolar
Disciplinas e Áreas
Celem
Biblioteca
Publicações Órgãos Colegiados da Escola Destaques da Educação Bartolomeu Notícias Espaço da Escola Espaço dos Educandos Concursos, Cursos e Eventos Boletim Escolar Matrículas e Resultados Informática, Tecnologias e Downloads Dicas de Trânsito Prestação de Contas Fale Conosco Mural de Recados Procuro você Utilidade Pública

Quantidade de Páginas visitadas





- EXPERIÊNCIAS DESENVOLVIDAS PELO PROF. LINS no MITRE -

- - -

Agradecimento

Antes de comentar sobre as experiências gostaria de agradecer ao Prof. Mestre Idivaldo – Professor de Física da Unoeste – SP, que sempre me incentivou nas pesquisas científicas de novas descobertas na ciência clássica. Obrigado Mestre. Prof. Lins.


Combustível: Água, Detergente e Pressão

- - -

As experiências são realizadas pelos educandos do Ensino Médio com coordenação do professor Lins, algumas construções se encontram no Laboratório de Ciências do Colégio, a disposição de toda a comunidade escolar.

- - -

- Bomba Caseira de Fumaça -

- Medidor de Tensão Nervosa -

- Plataforma Giratória - conservação de movimento circulares -

- Foguete à Álcool - - - Foguete à Água -

- Cama de Pregos - - - Motor Elétrico - - - Canhão de PVC -

- Gerador eletrostático de Van de Graaff -

- Barco à Vapor -

- Feira de Ciências - 2007 - - - Feira de Ciências - 2005 -



- Bomba Caseira de Fumaça -

Educandos do 3º Ano do EM de 2010, mostram na prática a Bomba Caseira de Fumaça.







-  -


- Medidor de Tensão Nervosa -

Construído pelos alunos do Ensino Médio de 2010 - 3º F

Materiais utilizados

Um aparelho telefônico antigo com disco para discagem dos números, uma caixa de madeira para suporte do telefone e demais materiais, uma lâmpada incandescente de 60 W ou 100 W, uma argola de metal com cabo, fios e fita isolante.

Objetivo

Nessa prática os alunos vão aplicar os meios teóricos da eletricidade, terão que fazer as ligações corretas para que não haja um curto circuito e perder todo o trabalho, o aparelho telefônico tem que ser daqueles antigo porque a bobina tem uma capacidade maior e pode suporta a corrente de 110 V.

Após a montagem é só testar e colocar os outros colegas percorrer o fio de cobre com várias voltas sinuosas, tem que estar bem calmo para conseguir chegar ao final do fio se encostar a argola no fio o telefone vai tocar e lâmpada irá acender.

Clique sobre a imagem e acesse as fotos da experiência:


 
-  -


- Plataforma Giratória - conservação de movimento circulares -

Construído pelos alunos do Ensino Médio de 2010 - 2º A

Materiais utilizados para realização:

Pé de cadeira giratória, rolamento, um circulo de madeira com diâmetro de 50 cm, parafusos e 02 pesos de 500 g cada um.

A prática é realizada utilizando a lei da inércia rotacional com um educando em cima da plataforma com braços abertos e segurando um peso em cada mão, outro gira a plataforma ou o corpo da pessoa, assim que começa o movimento o aluno que está em cima de braços aberto ao fechar os braços o movimento aumenta, ao abrir os braços o movimento diminui devido o atrito com o ar.

Esse procedimento é utilizado por uma patinadora que inicia um giro com seus braços, e talvez pernas, estendidos e depois recolhe os braços e pernas para junto do corpo, com isso conseguindo aumentar sua rapidez angular.





  



-  -


- Foguete à Álcool -

Construído pelos alunos do Ensino Médio de 2010 - 2º C

Materiais utilizados

Garrafa pet de 500ml, linha de anzol para o deslocamento do foguete, álcool, arame para fazer os engates da garrafa ao fio, fósforo.

Para realizar essa experiência alunos fizeram um furo de 3 mm de diâmetro no centro da tampa da garrafa, depois é colocado uma borrifada de álcool e rapidamente aproximaram a chama de um palito de fósforo no orifício, sobre orientação do professor.

Nessa prática podemos analisar o efeito de uma única explosão da mistura , a queima do gás dentro da garrafa faz o foguete deslocar-se sobre o fio de nylon em alta velocidade e deixando para trás um jato de fumaça.

Clique sobre a imagem e acesse as fotos da experiência:



-  -


- Foguete à Água -

Construído pelos alunos do Ensino Médio de 2010 - 3º F

Materiais utilizados para realização:

Duas garrafas pet de 2 litros, cola, cano de pvc de 1/2 pol., bomba para encher pneu, válvula de pneu, gatilho para disparo do foguete.

Realização da prática pelos alunos que colocaram água, detergente e 100 libras de pressão com isso o foguete sobe aproximadamente 50 metros.

Clique sobre a imagem e acesse as fotos da experiência:



- Vídeo da Experiência -



-  -

 
- Cama de Pregos -

“A pressão atmosférica aperta e comprime as coisas na superfície da terra?"

"Não... pressão não aperta e nem comprime coisa alguma!"

A Cama de pregos é uma das mais efetiva das demonstrações que põe em destaque o conceito de pressão, ou seja, o modo como as intensidade de forças são distribuídas em intensidades menores sobre uma superfície.

Considerando uma pessoa que se deita na cama. O peso de um adulto é algo de 75 Kgf, se ele ficar apoiado pelo menos em 2000 pregos, cada prego suportará 75/2000 Kgf = 0,037 Kgf. A pressão efetiva do sistema é de 35 g por cada prego, com essa pressão o corpo humano não sentirá qualquer desconforto ou dor, os pregos não perfurarão a roupa ou a pele.

Confira as fotos da experiência, ou seja, fotos daquela sonequinha.

- PDF -

- Power Point 2010 -

- caso não tenha o Office 2010 - clique aqui para baixar -

-  -


- Motor Elétrico -

Material

01 pilha grande;
01 ímã permanente de alnico ou cerâmico (tipo quadrado, retangular ou circular);
02 m de fio de cobre esmaltado # 20 a # 26;
02 alfinetes grandes, de segurança (de fralda);
01 ou 02 elásticos de punho;
01 base de madeira, plástico ou MDF de (10x10x1) cm.

Montagem

Eis o aspecto final da montagem com legenda e detalhes, clique na imagem para ampliá-la.




1. A bobina pode ser feita enrolando-se o o fio de cobre esmaltado ao redor da própria pilha (que servirá de molde); 10 a 15 espiras juntas serão suficientes.
2. Feito o enrolamento, retire-o da pilha e use do próprio fio para prender as espiras juntas, como se ilustra acima, nos detalhes. Deixe sobrar uns 10 cm de fio de cada lado. Endireite-os de modo que constituam o eixo de rotação do rotor.
3. Raspe completamente as extremidades desses fio retirando todo o esmalte. Uma variante disso, como foi feito na versão 1 é, raspar toda uma das extremidades e da outra "só um lado do fio".
4. Se raspou ambas as extremidades, use esmalte de unha para cobrir "um dos lados do fio" de uma das pontas.
5. Cole o ímã permanente na lateral da pilha de modo que um dos pólos fique "para cima".
6. Fixe, usando dos punhos de elástico, os alfinetes de segurança nos pólos da pilha; cole a pilha na tábua base.
7. Espete as extremidades da bobina nos 'olhos' dos alfinetes que servirão de 'contatos' e de mancal.
8. O rotor já deve começar a girar. Se não girar, ajuste o ângulo entre o lado do fio com esmalte e o plano da bobina (segure essa extremidade com um alicate e torça a bobina).

Confira as fotos da experiência

- PDF -

- Power Point 2010 -

-  -


- - - CANHÃO de PVC - - -
- Simulador de Trovão -

Raio, Relâmpago e Trovão

O raio é muito perigoso, mas, conhecendo-o podemos evitar grandes acidentes. Ele é produzido por descargas elétricas violentíssimas entre uma nuvem carregada de eletricidade e a terra.

O relâmpago é uma descarga é uma descarga semelhante entre duas nuvens carregadas de eletricidades diferentes. A camada de cargas situada na parte inferior da nuvem "puxa" uma carga positiva da superfície da Terra. Esta carga se acumula sobre os objetos elevados e um "fluxo" elétrico se forma entre os dois, provocando faísca.

Tanto o raio como o relâmpago originam uma enorme quantidade de calor que, esquenta o ar bruscamente, produzindo barulho, que é o trovão.

O trovão tem o mesmo mecanismo do estouro de uma bombinha: o ar se expande bruscamente e produz o som.

- Materiais -

01 - Tubo de 30 cm de PVC com 100 mm de diâmetro;
01 - Tubo de 90 cm de PVC com 100 mm de diâmetro;
02 - Tampa com diâmetro de 100 mm;
01 - Tubo de Cola; Lixa e Álcool.

- Procedimento -

a) Coloca-se um pouco de álcool dentro do canhão (algumas gotas), em seguida sacode-se o canhão para haver a evaporação do álcool e sua mistura com o ar do interior do canhão, e,

b) Coloca-se o canhão no chão (sobre uma base de madeira) e acende-se um fósforo colocando-o no orifício com diâmetro de 1,5 cm, após o contanto do fogo com o gás haverá uma enorme explosão.

- Confira as fotos da experiência -

PDF -

- Power Point 2010 -

- Vídeos -





-  -

- GERADOR ELETROSTÁTICO DE VAN DE GRAAFF -

O gerador eletrostático de Van de Graaff não sofreu alterações radicais desde que foi construído e apresentado por Robert Jamison Van de Graaff, no início de 1931.

Seu layout básico consiste em:

Um domo ou cúpula de descarga; Uma coluna de apoio; Dois roletes (superior e inferior); Dois pentes metálicos (superior e inferior); Uma correia transportadora; e Uma base para alojar o motor elétrico, fixar a coluna e o pente inferior.

É possível construir um pequeno gerador com mínimas despesas, uma vez que suas partes podem ser obtidas no comércio ou podem ser fabricadas. O modelo descrito é para um gerador com uma correia de 2 cm a 3,5 cm de largura, uma cúpula de descarga com cerca de 20 cm a 35 cm de diâmetro e algo entre 40 cm e 65 cm de altura.

Antes de ligar o aparelho completo pela primeira vez é conveniente preparar um centelhador para receber as faíscas. Ele servirá para testar distâncias de faiscamento, assim como descarregar o globo entre experimentações e testes. Pode ser feito com uma vareta plástica, com uma esfera metálica na ponta e um longo fio ligado na base do aparelho (no fio-terra).

- Mini Van de Graaff, construído pelos alunos do mitre, clique na imagem para ampliá-la -



-  -

- BARCO À VAPOR -

Com esse experimento conseguimos provar que o calor produz uma energia térmica, e pode movimentar vários equipamentos como: Locomotiva, Caldeira para fazer funcionar uma serraria, etc.

- Materiais -

01 - Barquinho do plástico ou montado com pedaços de isopor;
01 - Metro de cano de cobre com diâmetro de 3 mm, sendo enrolado formando uma serpentina (espiral), onde será armazenada a água para aquecimento e produção do vapor.

- Procedimento -

A serpentina é montada no barquinho e terá duas pontas, uma será a entrada de água fria e a outra será a saída da água quente, com esse movimento da água o barquinho será movido ou deslocado dentro de uma bacia ou um reservatório contendo água.

- Clique nas imagens para ampliá-las -

  

-  -


- Feira de Ciências - 2007 -

"Educar é uma arte."

"Na ciência/natureza nada se perde nada se cria tudo se transforma."


Feira de Ciências realizada no Colégio Bartolomeu Mitre e Paganoto em 2007.
Coordenação do Prof. Lins

Nesta feira participaram alunos de 2º e 3º anos do Ensino Médio.

Das experiências apresentadas pelos alunos, estou mostrando através de fotos:

Cama de pregos; Torneira misteriosa; Medidor de tensão nervosa; Canhão “Simulador de trovão”; Motor elétrico; Eletrostática; Apagador de Velas;  Máquinas Térmicas e Barco a vapor.

- PDF -

- Power Point 2010 -

-  -


- Feira de Ciências - 2005 -

Feira de ciências realizada no Colégio Monsenhor Guilherme em 2005
Coordenação do Prof. Lins.

Nessa feira contamos com a presença de alunos cientistas representando “Abert Einstein" e “Galileu Galilei”.
 
Dos experimentos apresentados por alunos do ensino médio estou mostrando através de fotos:

Barco a Vapor, Conservação de Energia sobre uma Roda, Cama de Pregos, Máquina Térmica com explicação de Einstein e Galileu, Canhão Simulador de Trovão.

- PDF -

- Power Point 2010 -

-  -



- Página Inicial - - - Prof. Lins -





















Validador

CSS válido!

Secretaria de Estado da Educação do Paraná
Av. Água Verde, 2140 - Água Verde - CEP 80240-900 Curitiba-PR - Fone: (41) 3340-1500
Desenvolvido pela Celepar - Acesso Restrito